Depoimento sobre Medo de Dirigir

Psicóloga Curitiba

Depoimento sobre Medo de Dirigir

38 anos, profissional da área de saúde.

“Sou profissional da área de saúde e tenho 38 anos. Sou casada e tenho um filho com 2 anos.

Eu tinha um pavor invencível de dirigir. Antes de conhecer a Giovana, fiz muitos anos de terapia e passei por diversos profissionais com muitas linhas de trabalho diferentes. A terapeuta anterior, inclusive, era especialista em medos e com ela tentei quase dois anos sem nenhuma melhora, apesar de todo esforço.

Ouvi falar que o EMDR era uma nova terapia muito eficaz e bem mais rápida que as tradicionais, achei que se fosse para tentar de novo, era essa ou não era nunca mais.
Eu estava realmente frustrada e sem paciência. Uma das primeiras coisas que disse à Giovana é que queria que fosse rápido porque eu não iria resistir a outra terapia para tentar resolver uma situação que havia se tornado uma angustiosa dor sem solução e mexer nela exigia coragem e determinação, por isso eu tinha realmente urgência. Enfim, resolvi tentar porque me sentia inconformada e humilhada. Resolvi mandar um e-mail para a Giovana e fosse o que Deus quisesse. Ela me retornou com uma ligação onde ficou claro que sua primeira preocupação era se teríamos empatia. UUUAAAAAAAUUUU!!!!!

Eu havia estudado e ouvido falar muito que em toda relação de ajuda, em primeiro lugar, era imprescindível que houvesse empatia. Porém, em muitas das terapias que fiz, o que percebi foi uma ânsia de “ganhar” o cliente/paciente (que não tem nada a ver com empatia). Assim eu comecei minha terapia com a Giovana e nesse “encontro” fiquei ainda mais surpresa porque, novamente pela primeira vez, encontrei uma psicóloga que não começou pedindo ou esperando que eu falasse, quando quis falei, mas não precisei começar, me despir, dar um relatório para alguém que eu acabava de conhecer, porque ela falou e se mostrou também: falou sobre a terapia, o quê, como, porquê, respondeu minhas perguntas e até me estimulou a fazê-las (coisa rara), respeitou minha inteligência – e mais do que isso, teve uma preocupação constante de me informar cientificamente sobre o processo. E mostrou – princípios, ética, competência, sensibilidade, estampados em cada gesto e palavra, à flor da pele. Nesse momento eu conheci a psicóloga Giovana e pouquíssimas vezes me senti tão respeitada. Ao contrário do que eu esperava, ela não me prometeu velocidade, explicou as nuances do processo e disse que eu poderia me desapontar por causa da ansiedade pelos resultados. Respondi-lhe que o máximo que eu agüentaria seria um ano, ainda assim ela não me garantiu nada neste espaço de tempo. Sentindo sua extrema honestidade e profissionalismo, resolvi investir, mesmo estando tão desiludida e exausta. E não me arrependi. Em pouco mais de 2 meses (eu disse 2 MESES!!), aquilo que eu passei metade da minha vida tentando resolver e não tinha conseguido, que me fez vítima de ridicularizações por tantas vezes, que me impediu de exercer atividades, fazer cursos, viagens, que me bloqueou a vida, causou enorme sofrimento e constrangimento por tanto tempo, havia SUMIDO! Exatamente isso: SUMIDO! Eu que não conseguia nem ao menos me imaginar ao volante, que havia comprado carros e não havia conseguido dirigi-los, que tinha pesadelos constantes com veículos e direção, que tinha perdido a esperança de dirigir algum dia como outra pessoa qualquer, sem medo, sem pavor, sem tensão, sem horror, me via ao volante, no horário do rush!! nos locais de trânsito mais difíceis da cidade e com meu filhinho no banco de trás!!!!!!!! dirigindo como se fizesse isso há anos e tudo aquilo que eu havia passado de repente se tornou efetivamente passado!! como se tivesse acontecido em outra vida ou com outra pessoa!!!!

NOOOOSSSSSAAAAAA!!!!!!!!! e que outra vida virou a minha!! Meu Deus!!! Todos os dias eu agradeço por esta libertação! Por não carregar mais este bloqueio que me algemava a dependência dos outros, de ônibus, de andar a pé com meu filho no colo debaixo de chuva, à noite, e tantas outras coisas que dariam para escrever livros. Falando em chuva e noite, eu dirijo na chuva, à noite, no centro da cidade, em área rural, em BR, subidão, descidão, em qualquer lugar, sem stress, sem tensão, me divertindo até! Isso era realmente impossível para mim, inimaginável!!

Mesmo depois de conseguir tudo isso eu ainda quis continuar a terapia, porque vi a possibilidade de poder resolver muitas outras coisas me incomodavam e não quis perder a oportunidade de tentar isso com uma profissional realmente extraordinária. E não digo por ter conseguido dirigir através dela, mas por ver em cada sessão seu compromisso com a vida e com a verdade. O que ela faz, faz com uma dedicação que emociona. E eu garanto, não há exagero em nada. Quando tive a oportunidade de escrever umas palavras sobre esta pessoa, que tem contribuído tanto com a minha vida e a de meus familiares, fiquei imensamente feliz, porque uma coisa que tenho desejado é que mais pessoas que tem problemas – como todos nós temos – percebam que há como resolvê-los.

Conheço a resistência das pessoas e o que (ainda) se pensa sobre terapia, os olhares tortos ou desconfiados quando faço comentários, me testemunham que muita gente vê terapia psicológica como um investimento dispensável, (para não dizer mal investido), pois se for para gastar, há outros bens melhores, ou então é coisa de gente não muito normal ou no mínimo é frescura. Mas terapeutas como a Giovana, provam que não é assim e eu quero muito, que várias outras pessoas tenham a sorte de conhecê-la, para poder contar com sua capacidade e competência na busca de alternativas e saídas para suas dores e problemas. Por isso, coloquei aqui minha história e minhas opiniões, na esperança de poder contribuir com quem esteja necessitando de ajuda, sem saber onde encontrar.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *