O início do ano é uma época inspiradora para estabelecer metas. Você pode fazer um planejamento incluindo todas as áreas da sua vida ao longo do ano: amorosa, financeira, social, familiar, profissional, espiritual, saúde e bem estar. A vantagem deste tipo de planejamento é que a integração de diferentes áreas de nossas vidas fortifica o que somos: seres humanos com diferentes necessidades que se interrelacionam para nosso desenvolvimento. No entanto, um planejamento abrangente nem sempre dá certo para quem não é acostumado com agenda e prazos. Nestes casos, é necessária a familiarização com o controle e com a disciplina.

No consultório, percebo que algumas pessoas não gostam nem de ouvir as palavras “controle” e “disciplina”. Estas palavras não raro trazem sensações de aprisionamento e submissão. Se a disciplina e controle foram aprendidos de forma coercitiva não é de se estranhar o mal estar. Mas é muito importante rever estes conceitos para que se possa apropriar o que eles têm a oferecer de melhor: satisfação pelo dever cumprido e os benefícios das metas atingidas.

Se você tem problemas com autocontrole e disciplina, segue algumas sugestões para o planejamento do ano:

1. Escolha suas metas de acordo com as áreas que você tem mais domínio
É preferível ter menos metas ou áreas cobertas por seu planejamento para que você possa se acostumar com a organização e ter a satisfação de concluir o que quer.

2. Durante o processo, veja o que precisa melhorar
Você poderá perceber que têm dificuldades no planejamento em etapas, dimensionar o tempo, investimentos necessários… Procure um profissional adequado para ajudá-lo ou amigos de confiança.

3. Perceba seus próprios sentimentos
Quando algo não dá certo você se irrita? Fica ansioso? Depois que se irrita, o que você faz? Os nossos sentimentos são o combustível para nossas ações. Por isso, perceba como você age emocionalmente e as consequências. Ciente disso, poderá ter mais controle. Se seus sentimentos não estiverem sob seu domínio procure uma forma de aprender com eles e sobre eles. Que tal um processo terapêutico? Recomendo as terapias corporais, como o EMDR, o Brainspotting e a Experiência Somática por promoverem acesso direto ao nosso corpo, emoções e sensações.

4. Autoestima
Se você tem pensamentos ruins sobre você mesmo, precisa encontrar seu potencial. Baixa autoestima traz procrastinação e culpa, e a culpa é a assassina dos sonhos. Neste caso também recomendo terapia.

5. O que não der certo precisa ser registrado
Os erros do planejamento de um ano podem ser as metas de melhoria do ano seguinte.

6. Não deixe que sua falta memória apague suas vitórias
Anote também os pontos positivos do seu planejamento e seus benefícios.

7. Parabenize-se a cada etapa cumprida
Gratifique-se com algo que seja prazeroso e saudável. Sentimentos de gratidão promovem um melhor estado de funcionamento do cérebro.

Lembre-se que o planejamento anual diz respeito a sua vida. Dedique-se tanto quanto você acredita que sua vida merece ser cuidada.

por Giovana Tessaro, janeiro de 2011 – www.giovanatessaro.com.br

Share This